25 de mar de 2010

UM PLANO DE AMOR

                         UM PLANO DE AMOR

Texto: Lucas 15: 3-6



                             Ilustração:

Você já procurou contar as estrelas? Com sorte você poderá contar até 5119. Fotografias do firmamento feitas com modernos e gigantescos telescópios mostram milhões de estrelas onde o olho desarmado não vê mais do que uma única.

Só na constelação do Órion podemos contar a olho nu, trezentas estrelas. Entretanto, nas fotos tiradas com o telescópio gigante de 200 polegadas do Monte Palomar, podemos contar seis milhões!

O planeta terra está localizado na galáxia chamada Via Láctea. Você sabia que há mais ou menos 100 bilhões de estrelas em nossa galáxia? Mas há muitas outras galáxias muitas maiores que a nossa.

Em que você pensa, prezado amigo, quando ouve dados astronômicos como esses?

Um dia Jesus contou uma parábola muito impressionante. Ele falou sobre algo aparentemente simples, mas que trazia em si uma grande e maravilhosa lição de amor.

Certamente que Seus ouvintes conseguiram apenas em parte, compreender o Ele realmente estava querendo ensinar-lhes.

A parábola a que estou me referindo é a do BOM PASTOR.

“Um homem,” disse Jesus, “tinha cem ovelhas”... 

Cem, é um número bastante expressivo, pois as famílias mais simples só podiam ter poucas ovelhas, quem sabe quatro ou cinco. Outros mais abastados possuíam algumas dezenas, mas cem é um número muito grande para os dias de Cristo.

Apesar de possuir muitas ovelhas, o homem cuidava delas com atenção e com muito interesse. Mas um dia, depois de ter levado seus animaizinhos para pastar, beber, exercitar e descansar, ao retornar para casa cansado, quem sabe, até mesmo ansioso para se deitar e dormir, percebe que está falando uma de suas ovelhas.

Ele poderia ter arrazoado: -“Que é uma apenas, entre cem ovelhas?”

Provavelmente essa ovelha perdida deveria ser uma das menorzinhas, uma bem pequenina, porque geralmente as ovelhinhas mais novas é que aventuravam distante do rebanho, ou se distraiam comendo à beira do caminho, não percebendo que o pastor já seguira o seu destino. Então ele poderia ter pensado: - “É uma ovelhinha teimosa”, ou “é uma ovelhinha pequena, não faz falta.”


Pensando em si mesmo e em seu conforto, ele poderia dizer: -“Amanhã eu irei procurá-la, hoje estou muito cansado. Acabou meu horário de trabalho.” Mas aquele era um Bom Pastor. Daquele tipo que “dá a sua vida”, que arrisca a sua segurança, que põe de lado o seu conforto, pensando na segurança e conforto de suas ovelhas.


Por isso ele saiu na calada da noite. Talvez com uma lanterna na mão. Imagino-o ora correndo, ora andando, chamando, gritando, se desesperando, enquanto repassava todo o caminho que fizera naquele dia, e até mesmo nos arredores do caminho, em sua busca apreensiva.


- “E se um animal selvagem já a encontrou?” Seus pensamentos o assustavam e o faziam correr mais e mais. Quem sabe não começava a nevar, a noite era escura e a neve tornava-a mais sombria ainda. Que seria se chegasse tarde demais? Estaria sua ovelhinha fria, congelada, já desfalecida?


Porém, finalmente depois de diligente procura, sua busca tem um final feliz! Ele ouve um balido. No início o som é distante, fraquinho... Mas o Pastor esquece o cansaço e veloz e persistentemente segue aquele som. Agora já pode enxergá-la. Ela está tremendo de frio, está ferida... Mas está viva!


Com quanta ternura Ele a toma em seus braços, a afaga, a aconchega em seu peito! Está finalmente salva!


Eu gosto da expressão de Lucas no verso 5: “E quando a encontra, põe-na sobre os ombros, gostoso.” Esta expressão ‘gostoso’ reflete os sentimentos do pastor de alegria, de gozo e de felicidade incontidas.


Mas o pastor faz mais ainda. Ao chegar a casa, não se sente mais cansado nem sonolento ou extenuado. Em sua explosão de contentamento, trabalha ainda mais arduamente preparando um banquete para comemorar com seus vizinhos e amigos, o fato, o milagre, de ter encontrado e ter trazido de volta para a casa sua ovelhinha perdida!


Prezado amigo, Deus tem todo o vasto universo com suas incontáveis estrelas, sóis, planetas e satélites. Mas um dia, Ele viu um único e pequenino planeta perdido: o planeta terra, o planetinha azul. E como o Bom Pastor, compadeceu-se desse.


Por isso deixou em segurança todos os demais seres amados, para vir resgatar o perdido! “Porque Ele veio buscar e salvar o que se havia perdido.” (Lucas 19:10)


Cristo não desistiu de Sua busca ao saber quanto isso Lhe custaria. Mesmo não desconhecendo o sofrimento, a humilhação, o tratamento desumano de que seria alvo, considerou que a segurança de sua ovelhinha perdida Lhe era mais importante. Sua missão de salvamento incluía Sua morte, e morte de cruz. Porém nem mesmo isso O intimidou, não O fez sequer parar para pesar as vantagens e desvantagens, mesmo sabendo que poucos aceitariam ser salvos, ainda assim não desanimou. Afinal era sua ovelhinha, sua ovelhinha amada que corria perigo!


Prezado amigo, ao pensar sobre esse tema, o do amor incondicional de Deus, você não sente o seu amor por Cristo aumentar? Não sente desejo de ser-Lhe mais grato, de corresponder-Lhe o interesse, e de louvá-lO?


E quando você considera o fato de que Jesus passaria por tudo o que passou apenas por você, se você fosse o único perdido em nosso insignificante planeta?


Quanto valemos para o Salvador! Quanto Ele nos ama! Quanto nos quer junto de Si! E para ter-nos arquitetou o plano mais absurdo do Universo: um Ser santo, incontaminado, puro e sem maldade, morrer pelos impuros, os maus e ingratos pecadores. Mas esse plano não foi elaborado baseado na lógica humana, mas na lógica do coração de um Deus que ama.


“Porque Deus amou o mundo de tal maneira, que deu o Seu Filho unigênito, para que todos aquele que nEle crê, não pereça, mas tenha a vida eterna.” (Jo. 3:16)


O apóstolo Paulo pensando nessa demonstração de amor divino foi levado a exclamar: “O amor de Cristo nos constrange” (II Cor. 5:14)


A palavra ‘constrange’ significa ‘obriga’. Sim o amor de Cristo por mim me obriga a uma resposta. Qual será a minha resposta? Qual será a sua resposta?


Quantos queremos responder a Jesus: Eu aceito Senhor o Seu amor por mim? Quantos queremos como prova dessa aceitação ter uma vida de maior companheirismo com Ele? Quantos desejamos contar a outros que ainda não conhecem, essa maravilhosa história do amor?

Nenhum comentário: